“Conhecer para Valorizar”

Resumo:

Pretende-se, com este projeto, dar aconhecer a toda a comunidade escolar e local a riqueza e as potencialidades dos recursos naturais da região, através da criação de uma aplicação interativa que possibilitará, de forma acessível e prática, “visitar” o património local e, assim, preservá-lo e valorizá-lo de forma mais sustentável. Por outro lado, poderá, também, atrair visitantes à região e até potenciar a criação de pequenos negócios/empresas locais, promovendo e desenvolvendo o empreendedorismo.

Há, ainda, a pretensão de fazer a interligação dos saberes da componente técnica e científica dos três cursos profissionais envolvidos no projeto, bem como permitir aos alunos um maior contacto com a vida ativa, dando a conhecer à comunidade o trabalho desenvolvido.

O projeto aglutina diferentes atividades que têm vindo a ser realizadas e outras que se encontram em desenvolvimento e vai ao encontro das linhas orientadoras do Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas de Arganil que norteiam a ação coletiva do mesmo: a) melhorar a qualidade e eficiência da educação e formação, b) promover a equidade, coesão social e cidadania e c) promover a criatividade, inovação e empreendedorismo.


 Turmas envolvidas:

  • 10º D – Curso Profissional Técnico de Turismo Ambiental e Rural
  • 10º F – Curso Profissional Técnico de Multimédia
  • 11º D – Curso Profissional Técnico de Gestão do Ambiente

Projeto:

A relevância de caráter pedagógico de que se reveste este projeto assenta na pretensão de alcançar um melhor conhecimento do meio no qual se insere o Agrupamento de Escolas de Arganil e das potencialidades dos seus recursos naturais, efetuando pesquisas e estudos, privilegiando o conhecimento científico e tecnológico e desenvolvendo nos alunos várias competências, nomeadamente, a capacidade de observação, o questionamento, a formulação de hipóteses e a pesquisa e conclusões. Todos estes aspetos culminarão na construção de uma aplicação interativa que, de acordo com os dados recolhidos, possibilitará um conhecimento mais aprofundado e consequente valorização da região.

Simultaneamente dar-se-á cumprimento aos programas curriculares, de uma forma muito mais enriquecedora e motivadora, indo ao encontro dos saberes específicos destes cursos profissionais. Potencia-se, ainda, a articulação e a interdisciplinaridade entre as diferentes áreas envolvidas no projeto, a saber: Língua Portuguesa, Inglês, Ambiente e Desenvolvimento Rural, Biologia e Geologia, Conservação da Natureza, Projetos em Ambiente, Design Comunicação e Audiovisuais e Ordenamento do Território.

Pretende-se articular os conteúdos curriculares, a pesquisa e a recolha de informação diversa numa perspetiva de desenvolvimento de projetos de intervenção futura, que constituam mais-valias nas áreas do turismo, da saúde e da criação de oportunidades de negócio e de postos de trabalho.


 Objetivos gerais:

Com este projeto pretende-se:

  • Usar fontes diversificadas para pesquisar, organizar e sintetizar informação;
  • Planificar, executar e interpretar atividades laboratoriais/experimentais;
  • Desenvolver o pensamento e o procedimento científico;
  • Desenvolver o conhecimento dos recursos locais;
  • Sensibilizar para a defesa e valorização dos valores naturais,
  • Contribuir para a preservação sustentada dos recursos naturais;
  • Reconhecer a necessidade de uma exploração sustentada dos recursos, dado o seu caráter limitado;
  • Incutir o gosto pela dinamização de atividades práticas de descoberta de valores naturais;
  • Incutir uma consciência crítica sobre a problemática ambiental;
  • Intervir ativamente na procura de soluções para problemáticas locais (falta de emprego, abandono das zonas agrícolas e florestais, empobrecimento da população, entre outros);
  • Motivar para o prosseguimento de estudos na área das ciências e tecnologias;
  • Divulgar o conhecimento adquirido e o trabalho realizado.

Atividades previstas:

  • Divulgação do projeto à comunidade e assinatura de protocolos;
  • Visitas de estudo aos locais selecionados para obtenção de informação, registo fotográfico/vídeo e recolha de exemplares diversos (Mata da Margaraça, Mata da Santa Casa da Misericórdia de Arganil, Fraga da Pena, …);
  • Palestras dinamizadas por técnicos da Mata da Margaraça sobre os valores naturais da Paisagem Protegida da Serra do Açor (no âmbito do projeto “A minha Área Protegida”, proposto pelo Instituto de Conservação da Natureza e Biodiversidade (ICNB));
  • Elaboração de posters/marcadores temáticos sobre a flora e fauna autóctone da Área Protegida da Serra do Açor;
  • Identificação de espécies vegetais com utilização da Lupa Estereoscópica e do Microscópio Ótico Composto (MOC);
  • Recolha e plantação de plantas aromáticas e medicinais;
  • Construção de um herbário com as espécies características/predominantes e autóctones da região;
  • Extração de essências de plantas;
  • Estudo de um ecossistema terrestre, efetuando o levantamento do coberto vegetal e inventário florístico;
  • Identificação de macro fungos – cogumelos – com utilização da Lupa e do MOC;
  • Promover a produção de cogumelos para comercialização;
  • Identificação com ensaios práticos de amostras de mão das rochas da região;
  • Análise de águas;
  • Estudo da constituição e das propriedades das águas recolhidas;
  • Concurso de fotografia “O Mundo da Água”;
  • Elaboração de mapas/documentos/… sobre os percursos da água com recurso a software específico;
  • Produção de fornos solares;
  • Recolha de receitas tradicionais elaboradas com produtos da região (castanha, medronho, …);
  • Infusões e chás com plantas da região;
  • Pesquisa e confeção de sopas e doces tradicionais;
  • Fabrico artesanal de queijo (com utilização de cardo);
  • Reutilização criativa de diversos materiais para promover a sustentabilidade dos recursos;
  • Workshops diversos;
  • Participação com mostra dos produtos na VI Feira Medieval, a realizar dia 23 de maio (barraca de alquimia, plantas aromáticas/medicinais, venda ambulante de produtos da região, …);
  • Gravação de voz off e tratamento de som;
  • Edição de vídeo e tratamento de imagem;
  • Produção da aplicação interativa recorrendo a software específico;
  • Divulgação pública do trabalho desenvolvido (jornais, rádio, página web do Agrupamento, Jornal Escolar “Ecos do Açor”, página web do Município, …);
  • Disponibilização da aplicação interativa do projeto nos sites do Agrupamento e dos parceiros implicados, bem como noutros locais de interesse educativo e turísticos

Avaliação:

  • Aquisição de conhecimentos e desenvolvimento de competências dos alunos, no âmbito de cada área disciplinar;
  • Impacto na comunidade através da divulgação do projeto em páginas web, jornais, revistas e rádio local;
  • Número de participante na Feira Medieval;
  • Número de participantes em Workshops;
  • Número de visitantes do site;
  • Contactos estabelecidos entre os diferentes intervenientes;
  • Relatórios intermédios e finais a apresentar no Conselho Pedagógico e no Conselho Geral do Agrupamento
  • Apresentação pública dos resultados do projeto

Parcerias:

Câmara Municipal de Arganil

Junta de Freguesia de Arganil

Junta da União de Freguesias de Coja

Junta de Freguesia de Benfeita

Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade (ICNB) – Mata da Margaraça

Associação dos Produtores Florestais do Concelho de arganil

Santa Casa da Misericórdia de Arganil

Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de Arganil

Associação de Estudantes do Agrupamento de Escolas de Arganil


Professores envolvidos:

Anabela Meneses (Português)

Ana Margarida Taborda (Projetos em Ambiente)

Carla Rodrigues (Ambiente e Desenvolvimento Rural)

Helena Alves (Biologia e Geologia)

Lina Oliveira (Conservação da Natureza e Projetos em Ambiente)

Reinaldo Diogo Azevedo (Ordenamento do Território)

Sandra Marques (Conservação da Natureza)

Vânia Silva (Design Comunicação e Audiovisuais)

Vasco Macedo (Inglês)


Data de submissão:

07 de março de 2014